Cripta Balbi

A Cripta Balbi mostra o passado de Roma através das escavações realizadas em seus jazigos. É uma das quatro sedes do Museu Nacional Romano.

A origem da cripta

Originalmente a Cripta Balbi estava composta por um teatro, um bloco de quatro andares e um pátio. Construído entre o ano 19 e 13 a.C. sob as ordens de Lucius Cornelius Balbus, o teatro possuía uma cripta que era o lugar onde as pessoas se refrescavam e tomavam alguma coisa durante os descansos das apresentações.

Com o passar do tempo, o teatro caiu no esquecimento e foi sepultado por outras construções ao longo de diferentes épocas. Em 1981 começaram as escavações e, depois de vinte anos de restauração, foram incluídas no Museu Nacional Romano.

As exposições

No andar superior são expostos objetos feitos entre a Antiguidade e a Idade Média, mostrando o modo de vida dos cidadãos romanos entre os séculos V e X.

No térreo estão as escavações no contexto da história da região, e são exibidos os restos das escavações da Cripta Balbi e de outras jazidas romanas.

O sótão é a parte mais interessante do museu, já que ali estão as escavações feitas no Teatro Balbus, que podemos ver enquanto passeamos pelos corredores escuros e úmidos.

Quatro pelo preço de um

Embora as escavações da Cripta Balbi não sejam tão interessantes com da Basílica de São Clemente ou outros lugares, a entrada está incluída com a do resto das sedes do Museu Nacional Romano (Palazzo Massimo alle Terme, Termas de Diocleciano e Palácio Altemps), por isso se você tiver tempo suficiente depois de visitar os lugares mais interessantes de Roma, você pode fazer uma pequena visita à cripta.

Horário

De terça a domingo, das 9:00 às 19:45 horas.

Preço

Adultos: 7€
Cidadãos da UE entre 18 e 14 anos: 3,50€.
Cidadãos da UE menores de 17 anos e maiores de 65: entrada gratuita.
Inclui: Palazzo Massimo, Palazzo Altemps, Cripta Balbi, Termas de Diocleciano.

Transporte

Ônibus: linhas H, 30, 40, 46, 62, 63, 64, 70, 87, 119, 130, 186, 190, 271, 492, 571, 630, 780, 810 e 916.